O que eu li em Fevereiro?

By Rissellie zani - 3.3.14

Buenas noches muchachos, semana passada deu a louca na blogueira aqui e resolvi falar portunhol por todo canto, pensei que meus colegas de trabalho me dariam um tapa para eu voltar ao normal (quem nem é tão normal assim). Já estamos no dia 03 de março e resolvi colocar aqui os livros que eu tive o prazer de ler. Aproveitem e deixem nos comentários se você já eu algum deles ou se despertou o desejo de ler




Belo Desastre por Jamie McGuire 
Verus Editora
389 páginas

O livro já está mais que calejado na mão de muito leitora e blogueira por aí, o caso não foi diferente no meu. Eu havia lido esse livro antes dele ser lançado aqui no Brasil, como? Baixei a versão em inglês (amém por meu inglês não estar enferrujado). Tempo depois o livro chegou no país e eu não comprei por já ter lido, mas olha como a vida é: minha irmã chegou em casa esses dias com o ''Belo Desastre'' em mãos, disse que pegou emprestado da amiga para ler.  Claro que eu não perdi a oportunidade para me atualizar com a edição em português! Voltando.
O conteúdo é muito bom, os personagens principais são os queridinhos da América (piadinha de duplo sentindo, América é o nome da melhor amiga da Abby e torce pelo casal ''Abby+Travis''). O romance é diferente, assim como a personalidade dos dois, mas nada muito forçado. O primo do Travis, Shepley, me incomodou um pouco com a paranoia dê ''Se o Travis ficar com a Abby eu e a América corremos risco de nos separar'' - eu fiquei pensando ''Sério cara? Você não se garante?'' -  Ok, nem tudo em um livro é perfeito. Pela metade da história, tudo ficou meloso de mais e obsessivo de mais. Graças à Deus a Abby tem pés no chão. O romance evoluiu muito rápido, de um namoro que ninguém esperava até um pedido maluco no final do livro! Este livro da Jamie não entrou na minha lista de favoritos, só o Travis que entrou na minha lista de bad boys literários.


Escrevendo no Escuro por 
Patrícia Mello (Nacional) 
Editora Rocco
189 páginas



Eu nunca havia ouvido, ou lido, algo a respeito deste livro. Nada. Em um belo dia que eu resolvi tomar um café no Strarbucks do Shopping Morumbi, que fica praticamente dentro da livraria Saraiva. Resolvi dar uma olhada nos lançamentos fui para a sessão ''Nacional'' - a minha favorita - fiquei intrigada com o título ''Escrevendo no Escuro'' e decidi levar para casa.

Patrícia Mello é dramaturga, roteiristas e escritora. Seu livro reúno alguns contos e crônicas já publicados e outros inéditos, mas o diferencial dessa obra é a ligação que cada história tem uma com a outra. A minha favorita é ''Cecília'', a história de uma escritora que está escrevendo um livro e decidiu que iria matar a sua personagem principal (e favorita) e o louco disso tudo é a personagem do livro começar a conversar com a autora sem pudores do que falar! Ela simplesmente não quer morrer e faz de tudo para sua criadora lhe por outro fim. O restante do conteúdo é bom, uns textos melhores do que outros, mas nada de tão ''Nossa que tédio''.


Um Romance de Geração por Sérgio Sant'anna (Nacional) 
Companhia das Letras
112 páginas



Que livro, e vários pontos de exclamação. O descobri do mesmo modo que descobri ''Escrevendo no Escuro'', me chamou a atenção o título na mesma livraria e do mesmo lugar. Originalmente lançado em 1980 ''Um Romance de Geração''  tem a estrutura de uma peça de teatro, mas é um romance. No início eu fiquei confusa com o enredo, até eu descobrir do que realmente se tratava e já digo: é o que você acha que é. Foi tão simples que me deixou com raiva. Tipo, sério? Tudo aqui para no final eu estar certa pensando que estava errada?! Ok. Nele se narra o encontro de Carlos Santeiro, escritor, e uma jornalista que só ''revela'' seu nome próximo ao final do livro. Muitas vezes parecia que eu estava dentro de um teatro e outras que eu estava no apartamento de Carlos (onde acontecem todas as cenas) assistindo de camarote as mudanças de humor e assuntos dos dois. Esse poderia ser o ''Romance da sua geração'' - quando você ler o livro irá entender essa última frase.



Ligue os Pontos poemas de amor e big bang por Gregorio Duvivier (Nacional) 
Companhia das Letras
85 páginas


Simples, poderoso e cheio de amor em cada palavra das 85 páginas. Entre as estações Primavera/Interlagos e Cidade Jardim (meu destino final naquele dia) eu li o livro que me deixou em uma bolha que só foi estourada quando eu esbarrei em um homem para chegar perto da porta e desembarcar. ''Ligue os Pontos'' é um livro feito totalmente para Clarice Falcão, ele mesmo deixa isso claro no começo e fim, então eu imaginei ele citando cada um dos seus poemas para ela em alguma manhã bonita com os pés apoiados na parede e com a sua cabeça no colo dela. Tenho que confessar que fiquei com uma vontade gigantesca de conhecer o Rio de Janeiro do Gregório e ler sentada na calçada todo o livro, de novo. Nas palavras de Tom Zé: '' As palavras de Gregorio devem exalar alguma droga pesada, que atrai, vicia e nos toma''. Esse é de longe um dos melhores livros que eu li este ano e quem sabe dos próximos.


Total: 4 livros lidos

  • Share:

You Might Also Like

2 comentários